Eletrodo Delta para Monitorização do Nervo recorrente durante tireoidectomia

Segurança aumentada do paciente através de neuromonitorização do Nervo recorrente

Em todo o mundo, milhões de pessoas são afetadas por distúrbios da tireoide. Frequentemente, o tratamento cirúrgico é necessário. Se o bócio, um aumento da glândula tireoide se formou, ou se alterações malignas são encontradas, recomenda-se uma intervenção cirúrgica.

No entanto, a remoção parcial da glândula tireoide (tireoidectomia subtotal) ou a sua remoção completa (tireoidectomia total) carrega um risco de dano ao nervo das cordas vocais, o Nervo (N.) recorrente. Se o N. recorrente for danificado pelo cirurgião, isso pode resultar em consequências graves. Danos no N. recorrente podem resultar diretamente em rouquidão em curto prazo após a cirurgia ou levar à paralisia permanente bilateral das cordas vocais.

Através da neuromonitorização >> intraoperatória durante a cirurgia da tireoide, a função do N. recorrente pode ser monitorada. Imediatamente após a cirurgia, uma declaração definitiva pode ser feita em relação à função, em particular. O objetivo final é evitar a paralisia bilateral das cordas vocais.

Durante o procedimento, o cirurgião pode usar uma sonda de mão para localizar o N. recorrente e verificar a sua função. A função do nervo é então registrada no início e ao final da operação. Além disso, o neuromonitorização contínua permite uma reposta sonora e visual da função do nervo em tempo real e permite ao cirurgião reagir rapidamente para evitar a paralisia das cordas vocais.

Na monitorização contínua do nervo recorrente, o nervo vago é estimulado, a fim de monitorar e proteger o N. recorrente na área cirúrgica.

O eletrodo delta é colocado ao redor do nervo vago e, portanto, sempre mantém contato com o nervo.

A vantagem decisiva do eletrodo é seu formato em delta que permite que o eletrodo seja posicionado de forma ideal no nervo e impede que o eletrodo seja destacado. Através do contato constante com o N. recorrente, uma atenuação de sinal induzida tecnicamente ou mesmo uma perda de sinal podem ser evitadas. O cirurgião pode então ver imediatamente se o N. recorrente está em perigo e pode agir antes que uma redução na condutividade nervosa torne-se uma paralisia irreversível das cordas vocais.

Utilizando a Monitorização nervosa intraoperatória, o cirurgião tem a opção de encerrar uma operação após uma tireoidectomia unilateral com resultado incerto. Após manter com sucesso a função ipsilateral do N. recorrente, o cirurgião pode continuar a operar contralateralmente. Este método ajuda a identificar danos nervosos em um estágio precoce e a evitar a paralisia bilateral das cordas vocais.

Mais informações >